deusa Erce – "A Mãe Terra"

Seguindo o historiador romano Tácito, a principal divindade arcaica dos povos nórdicos era a “Mãe Terra” (equivalente daTellus Mater romana) e conhecida por vários nomes, de acordo com o lugar e a época do seu culto, que era realizado em uma ilha sagrada. Ela era reverenciada pelas tribos bálticas, escandinavas, germânicas e anglo-saxão (colonizadoras da Inglaterra) e seus cultos antecederam todos os outros. Na comparação com Tellus Mater, Tático evidenciou as amplas e complexas características da Mãe Terra nórdica, não apenas as nitrudoras e sustentadoras da vida pelos seus frutos, mas também o seu temido poder destruidor, pelos terremotos, inundações, tempestades, vulcões, geleiras, incêndios, seca e fome. A essência da Mãe Terra, nórdica incluía beleza e perigo, abundância e pobreza, saúde e doença, destruição e renovação, vida e morte, inverno e verão.
Não existem registros sobre cultos específicos de Nerthus, nem dos outros arquétipos equiparados com ela, além das procissões realizadas próximo ao equinócio de primavera e antes das colheitas, quando uma carruagem, levando uma estátua de uma deusa velada, percorria vários lugares e depois voltava para o seu templo na ilha. Sem ter um nome específico era chamada de “deusa da carruagem”.
Memórias de uma deusa da terra, que conferia aos seres humanos as suas dádivas, aparecerem em um antigo encanamento anglo-saxão para invocar a fertilidade da terra, que misturava versos e orientações em prosa, além de referências cristãs e pagãs. Era invocado o nome de Erce, a Mãe Terra, descrevendo com palavras poéticas a sua união eterna com o deus do céu, para trazer a fratura das colheitas. Erce era saudada como deusa criadora de todas as coisas da natureza, que dava comida para beneficiar a todos e cuja abundância pertencia a todos os seus filhos. 
A invocação costumeira era: Til ars ok frida, ou seja “para a boa colheita e a paz”. Após se inclinar por nove vezes, o fazendeiro oferecia primeiro quatro fatias de terra recém-arada, nas quatro direções, depois invocava os poderes do sol, do céu, da terra, do Senhor e da Senhora. Enquanto era entoada uma oração, as sementes era abençoadas e uma mistura de sal, sabão, incenso e sementes era passada sobre as alças do arado, antes de “abrir o ventre da Mãe Terra”, pronunciando este apelo: “Erce, Erce, Erce, Mãe da Terra, que o deus eterno e todo poderoso lhe confira força crescente, campos desabrochando e florescendo, ricas colheitas de grãos (trigo, aveia, centeio, cevada), e todas as riquezas da terra”.
Após outras orações para os santos protetores, era passado o arado sobre a terra com uma nova invocação :”Terra, Mãe dos homens, que sua plenitude e abundância aumentem com o abraço do Deus e que seja rica em alimentos para nutrir os homens”. Em seguida, as mulheres assavam um pão preparado com cereais guardados da colheita anterior, amassado com leite e água benda, ofertando-o para a terra arada e pedindo novamente proteção e fartura.
O uso do encantamento evidentemente pagão, mesclado com termos cristãos, indica a permanência dos antigos costumes e orações, direcionadas por uma deusa da terra, com as bênçãos celestes do sol e da chuva. Em algumas fontes germânicas são descritas práticas semelhantes para a bênção do arado com mel, óleo, levedo e leite, acompanhadas de oferendas de sementes e frutas silvestres. Recomendava-se a preparação do pão do tamanho da roda do arado, sendo a ele fixado, enquanto o camponês arava lentamente a terra, para não ferir a “Mãe dos campos”. Outras lendas citam as mulheres como responsáveis pela bênção da terra e dos primeiros sulcos feitos com o arado, enquanto oravam pela Erda.
ELEMENTO: terra.
ANIMAIS TOTÊMICOS: gado, cavalo.
CORES: verde, amarelo, marrom, preto.
ÁRVORES: todas
PLANTAS: todas
PEDRAS: ágata, madeira fossilizada, azeviche
METAIS: todos.
SÍMBOLOS: sementes, plantio, colheita, implementos agrícolas, árvores, plantas, pedras, Roda do Ano.
RITUAIS: para semear, plantar e colher; para centramento e enraizamento; para entrar em sintonia com as energias da Natureza; ritos de passagem; celebrações da Roda do Ano.
PALAVRA-CHAVE: nutrição
RUNAS: feoh, uruz, jera, othala

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s