deus THOR

Na mitologia nórdica, Thor (nórdico antigo: Þórr) é o deus que empunha o martelo Mjolnir, e e está associado aos trovões, relâmpagos, tempestades, árvores de carvalho, força, proteção da humanidade e também a santificação, cura e fertilidade. A divindade era conhecida pela mitologia germânica e paganismo como Þunor (em inglês antigo) ou Donar (em alto-alemão antigo), decorrente da língua protogermânica Þunraz (que significa “trovão”). Thor também é chamado de Ásaþórr, Ökuþórr, Hlórriði e Véurr.
Em última análise decorrente da religião protoindo-europeia, Thor é um deus devidamente destacado em toda a história registrada dos povos germânicos, a partir da ocupação romana de regiões da Germânia, para as expansões tribais do período de migração, a sua alta popularidade durante a era viking. Dentro do período moderno, Thor continuou a ser reconhecido no folclore rural de todas as regiões germânicas, é frequentemente referido em nomes de lugares e o dia da semana Thursday / Donnerstag (Quinta-feira) ou Dia de Thor, é utilizado desde o período pagão até os dias de hoje.
É filho de Odin (o deus supremo de Asgard) e Jord (a deusa de Midgard), foi casado com Sif. Durante o Ragnarök. Thor matará e será morto por Jörmungandr.
Características
Thor lutandThor era grande para um deus, extremamente forte (podendo comer uma vaca em uma “refeição”). Thor era ruivo e adorava disputas de poder e era o principal campeão dos deuses contra seus inimigos, os gigantes de gelo. Os fazendeiros, que apreciavam sua honestidade simplória e repugnância contra o mal, veneravam Thor em vez de Odin, que era mais atraente para os que eram dotados de um espírito de ataque, ou que valorizavam a sabedoria. A arma de Thor era um martelo de guerra mágico, chamado Mjolnir com uma enorme cabeça e um cabo curto e que nunca errava o alvo e sempre retornava às suas mãos. Ele usava luvas de ferro mágicas para segurar o cabo do martelo e o cinturão Megingjard que aumentava sua força em dez vezes.
Teve também uma vida doméstica importante. Casou duas vezes, a primeira com a gigante Járnsaxa, que lhe deu um filho, Magni(força). Outro filho de nome Modi (coragem) é também atestado nas fontes antigas, mas sem referir o nome da mãe.  E o segundo casamento, que foi muito mais importante no mito do deus Thor, foi com Sif, a bela dama dos cabelos tão louros como o ouro. Com ela teve duas filhas: Lorride e Thrud.
Os antigos escritores (Saxo, Adam de Bremen, Aelfric, Snorri) identificaram Thor com o deus greco-romano Júpiter porque ambos são filhos da Mãe-Terra, comandante das chuvas, dos raios e trovões, são protetores do mundo e da comunidade cujo símbolo era o carvalho, representando o tronco da família. Os animais de ambos deuses era o carneiro, o bode e a águia. Thor era sempre apresentado com seu martelo e Júpiter com seu cetro. Thor matou a serpente Jormungand e Júpiter o dragão Tifão. O historiador Tácito identificou Thor com Hércules, por causa de seu aspecto, força, arma e função de protetor do mundo.
Thor gostava da companhia de Loki, apesar do talento desse embusteiro para colocar ambos em confusões. As histórias de suas aventuras estão entre as mais ricas da mitologia nórdica. No panteão nórdico, Thor era o destruidor do mal e o segundo maior expoente dos deuses Aesir. A imagem de Thor aparece em muitas estelas rúnicas assim como seu nome ou seu martelo. Thor é um excelente guerreiro e já derrotou muitos gigantes, trolls, monstros, berserker e feras, segundo o Edda em Prosa. Thor percorria o mundo numa carruagem puxada por dois bodes chamados Tanngrísnir e Tanngnjóstr. Conta-se que quando Thor percorria o céu nessa carruagem as montanhas ruiam, e o barulho provocado pelas rodas do veículo originavam os trovões. Thor habita em Thrudheimr (ou Thrudvangr) no salão Bilskirnir1 onde ele recebia os pobres depois que haviam morrido. Esse salão possui 540 acomodações e é considerada a maior de todas as construções. O mensageiro de Thor era o veloz Thjalfi e sua criada era Röskva, irmã de Thjalfi. Quando Thor estava longe de seu lar ele matava seus bodes e os comia, e depois os ressuscitava com martelo mágico. Thor é o criador da constelação conhecida pelos vikings como Dedo de Aurvandill. Era Thor o deus que mais possuía templos na Escandinávia.
No Ragnarok, a tarefa de Thor era matar a cruel Jormungand ou Serpente Midgard (uma serpente tão grande que envolve a Terra), cria de Loki, mas ele morre na batalha.
Os anglo-saxões deram o nome de Thor ao quinto dia da semana, Thursday, ou “Thor’s day” (quinta-feira, em inglês); o mesmo aconteceu entre os escandinavos que chamaram a quinta-feira de “Torsdag” . O mesmo acontece no idioma alemão em que a quinta-feira se chama “Donnerstag” (donner = trovão; tag = dia).
Símbolos e artefatos:
O mais importante símbolo de Thor é o martelo, Mjölnir (destruidor) , que na pré-história escandinava surgia sob a forma de um machado – relacionado à fertilidade e aos fenômenos atmosféricos. O martelo de Thor, também se relaciona com os aspectos míticos de ferreiro do deus, ao criar trovões e relâmpagos. Existem evidências de que o culto ao martelo continuaram na era viking a serem propiciadores de fertilidade feminina para o casamento. O uso de pingentes com a forma do martelo foram um dos grandes elementos de identidade pagã no final da era viking (Langer, 2010), e segundo vários pesquisadores, serviu como uma resposta ao uso cotidiano de cruzes em pescoços dos cristãos convertidos. Recentemente, diversos formatos de pingente do martelo são vendidos em todo o mundo, demonstrando não somente a permanência do símbolo, mas também, a grandiosidade do mito de Thor na cultura e no imaginário contemporâneo, que atinge de forma impressionante o cinema, a literatura, os quadrinhos/banda desenhada e as artes plásticas em geral.
Para além do martelo, Thor usava ainda outros dois artefactos que estavam directamente ligados ao mjölnir. O járngreipr, umas luvas de ferro, que Thor usava para manejar o mjölnir. O terceiro artefacto era o cinto, megingjord, que lhe concedia um tremendo aumento da sua força, e igualmente o tornava apto a manejar o martelo.
O roubo do martelo de Thor
Uma vez Thor perdeu seu martelo e pediu a deusa Freyja para que lhe emprestasse a forma de uma ave de rapina com o intuito de procurá-lo. Thor, sob a forma de um falcão, então voa para bem longe e fica sabendo que seu martelo mágico, a única arma suficientemente capaz de enfrentar os gigantes, está no poder de um deles de nome Thrym que vive no fundo da terra.Thor então pede que seu martelo seja devolvido no que o gigante recusa, advertindo que o devolveria apenas se a deusa Freyja aceitasse casar-se com ele, algo que a deusa toma como uma ofensa.Logo orientado pelo oráculo Heimdall a disfarçar-se de Freyja concordando com o pedido de casamento e assim recuperar seu martelo, parte juntamente com Loki para Jotunheim, a Terra dos gigantes, a bordo de sua carruagem sob o espetáculo de raios e trovões.Chegando a Jotunheim é efusivamente recepcionado por seus anfitriões gigantes que se espantam com a sua fome e seus olhos flamejantes sob o véu que Thor veste. Loki disfarçado então de serviçal tranquiliza-os argumentando que a ‘deusa’ estava a várias noites sem comer e dormir devido a angústia e ansiedade do casamento.Quando logo o martelo é colocado no colo da falsa noiva, Thor se revela e mata o seu noivo gigante e todos os outros convidados ao redor voltando triunfante para Asgard.
A pesca da serpente
Segundo um antigo mito viking, Thor decide visitar o gigante do mar , Hymir, disfarçado de mancebo.Logo que chega junto a Hymir, Thor se oferece para ajudá-lo na pescaria, que inicialmente, é recusada pelo gigante depois vindo a ser consentida. A pedido do gigante Thor vai até o seu rebanho e mata um de seus touros levando a cabeça do animal que será usada como isca durante a pescaria.Ambos partem juntos, sendo que Thor rema vigorosamente levando-os a um local afastado daquele comumente usado por Hymir. Lá o seu anzol é preparado e lançado ao mar onde a Serpente do Mundo, que habita os oceanos, fisga, advindo um intenso combate onde Thor a prende com tanta tenacidade e força que seus pés rompem a estrutura do barco tocando o fundo do oceano. Quando Thor brande seu martelo a ponto de golpeá-la, o gigante enfim corta a linha do anzol. Em outras versões do mito a serpente foge enquanto Thor atira o gigante à água voltando à praia em seguida.

ELEMENTO: fogo, terra, chuva.
ANIMAIS TOTÊNICOS: bode, touro.
COR: vermelho
ÁRVORES: castanheira, carvalho, espinheiro.
PLANTAS: barba-de-bode, cardo, tojo.
PEDRAS: jaspe-sanguíneo, ágata-de-fogo, hematita, tectito, moldavita, amonite, belemnite.
METAIS: ferro, estanho.
SÍMBOLOS: martelo, luvas, cinto, carruagem, raio, trovão, tempestade, anel de ferro, roda solar, suástica, pilar, pregos, as estrelas Aldebaran, Antares e Rigel.
DIA DA SEMANA: quinta-feira.
DATAS DE CELEBRAÇÃO: 19/01, 20/05, 28/07, 01/08
RUNAS: Raidho, Thurisaz, Uruz, Sowilo.
RITUAIS: de proteção e defesa, para aumentar a força física, a fertilidade e a virilidade, para melhorar o tempo, preservar a ordem, vencer os inimigos. Thor representa a força da vontade que impulsiona, direciona e conduz, que derruba barreiras e vence empecilhos e dúvidas, mas que também alerta para a impaciência, a irritação e a imprudência.
PALAVRA-CHAVE: força.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s